A Casa do Poeta Lindolf Bell está instalada na antiga morada do poeta e de seus pais. Foi de interesse do ilustre Lindolf Bell transformar o município de Timbó, sua terra natal, em um lugar conhecido e lembrado pela poesia. Este poeta sempre manifestou-se dizendo: “Vamos transformar Timbó na capital da poesia...", e, "minha casa em um museu";.

Com esta Casa, eleva-se cada vez mais a poesia e a literatura barriga-verde, dando chance e liberdade aos que procuram a palavra-palavra.
A Casa do Poeta constitui-se de museu, praça, centro de memória e biblioteca e espaço cultural.


Uma das propostas da Casa do Poeta é ser um museu vivo, dinâmico e que traga a filosofia de seu homenageado. Aqui, as pessoas podem conhecer onde morou o poeta e seus pais , como conheceu os primeiros versos, seus gostos, amigos, quais os livros que lia, as obras que admirava, os prêmios que recebeu, suas vestimentas, ornamentos, objetos, plantas, enfim, tudo que amou e admirou durante toda a sua vida.
É nesse espaço cheio de energia que se pretende eternizar a sua missão, através de acontecimentos, eventos, intercâmbio cultural e de idéias, projetos artísticos, turísticos e literários. Seu maior objetivo é preservar e manter viva a forma, o estilo e as raízes da vida de seu ilustre morador.
O acervo do Museu compõem-se de: móveis (pertencentes ao poeta e incorporados ao cotidiano de sua vida); obras de arte; indumentária; troféus; objetos diversos (de uso diário e coleções).



Local de maior e melhor acesso ao continuar a idéia de Catequese. O Espaço Arte Praça do Poeta Lindolf Bell é uma galeria de arte a céu aberto. Compõem o espaço obras dos artistas: Elke Hering (in memorian), Jayme Reis, César Otacílio, Paulo Greuel, Pita Camargo e Lygia Helena Roussenq Neves. A Praça traz à poesia um estado atemporal, pois pode ser visitada a qualquer hora do dia e da noite.
Na praça encontram-se placas com os fragmentos poéticos mais conhecidos de Bell, aqueles inquietantes, que levam você a pensar nas questões mais simples e complexas da vida.
O objetivo principal é cada vez mais congregrar a cultura (em todas as suas formas) ao povo, tudo isso no mesmo espaço.


Integra a Casa do Poeta e compõem-se de documentos e fotografias que abrangem a trajetória de uma vida dedicada à cultura. O Centro de Memória é de extrema importância ao Museu, pois abriga todo o acervo do poeta. Inclui-se ao acervo documentos, projetos, participações, obras do poeta, documentação relativa às obras, rascunhos, artigos de jornais, correspondências, fotografias, convites, cartões, etc. O acervo que compõem o CMLB foi cedido pelos filhos de Lindolf Bell. Esta documentação encontra-se dividida em Vida Pessoal e Vida Profissional. Um software foi elaborado para digitalizar todos os documentos e diminuir ao máximo o contato com o documento original. Há muito a ser feito até que o Centro esteja devidamente concluído.
Toda esta estrutura foi criada especificamente para o CMLB.


A biblioteca particular do poeta, que está em fase de organização, possui livros de poesias, poemas e contos (totalizando cerca de 240 obras), cujas autorias são de vários catarinenses e de outros autores de diversas partes do Brasil e do mundo. O acervo conta ainda com: revistas, livretos, almanaques, calendários culturais, além de obras de autoria do Poeta Lindolf Bell.
Na biblioteca também existem placas de homenagem, troféus, certificados, cerca de 2.000 livros (que faziam parte da literatura pessoal de Bell) e quadros com imagens das primeiras matérias que tratam sobre a Catequese Poética na década de 60.



O Grão Espaço Cultural é um manifesto artístico que promove a cultura e proporciona a todos o acesso a bens culturais e artísticos em geral. Neste espaço cultural pretende-se expor os “gritos do peito”, a leitura, os recitais em praças, as exposições, as apresentações... Afinal, a poesia falada em voz alta nos traz experiências revolucionárias.