Espaço Arte – Praça do Lindolf Bell

Praça do Poeta Lindolf Bell

A Praça é um lugar público, e como tal, talvez seja o lugar mais democrático que há para se levar a cultura. Quando falamos de Lindolf Bell é impossível dissociá-lo das Artes Plásticas, já que inaugurou a primeira galeria de arte de nosso estado e criou um intercâmbio cultural entre Santa Catarina e os grandes centros do Brasil. A Praça continua sendo o local de maior e melhor acesso ao continuar a idéia de Catequese. O Espaço Arte Praça do Poeta Lindolf Bell é composto por obras de sete artistas renomados, que buscam integrar, através do tempo e do espaço, o passado, o presente e o futuro, elevando ainda mais a poesia a um estado atemporal.

A praça busca incentivar e oportunizar a todos os cidadãos um melhor acesso aos patrimônios culturais, prezando pelo desenvolvimento humano e a transformação social. O Espaço Arte Praça do Poeta Lindolf Bell foi executado pelo Governo do Estado de Santa Catarina - Secretaria Estadual de Cultura, Turismo e Esporte e apoiado pela MALWEE através de incentivos fiscais do FUNCULTURAL

César Otacílio

César Otacílio, painel-poesia imponente (grande totem de 4 metros de altura com cerâmica pintada e estampado o Poema das Crianças Traídas). O ARTISTA

Nasceu em Corruchel, município de Pouso Redondo (SC), em 1959. Desenha e pinta desde a infância. Iniciou seu trabalho artístico em agências de propaganda e ilustrações têxteis. Em 1981 iniciou a carreira como artista plástico. Atualmente dedica-se à diversificação do seu trabalho, executando murais em praças públicas, lançando calendários artísticos promocionais, gravuras comemorativas, etc. Como escrever é outra de suas paixões, lança, de tempos em tempos, manifestos em defesa de todos criadores, artistas, patrimônio arquitetônico abandonado, clama por mais respeito aos índios xokleng e defende os sentimentos humanos. Acredita que, na arte, a máquina nunca dominará o homem, e suas mãos serão sempre o centro das maiores atenções.

Elke Hering

Elke Hering é a atemporalidade, o próprio tempo, para relembrarmos grandes artistas já falecidos, mas que vivem consagrados através de sua obra.

A ARTISTA

Escultora, desenhista, gravadora, pintora, com incurções na área de tapeçaria, “design” e programação visual. Elke Hering estudou inicialmente com Lorenz Heilmair, tendo auxiliado o artista na execução de grandes vitrais religiosos em Blumenau e de trabalhos similares em Porto Alegre (57). Estimulada por Heilmair, viajou à Europa, onde estudou com Anton Hiller na Academia de Belas Artes de Munique (Alemanha – 58/60). Em Salvador (BA), realizou estágio no atelier de Mário Cravo Júnior (61). Mais tarde ao receber bolsa de estudos do DAAD, frequëntou, a classe do escultor dinamarquês Robert Jacobsen, professor da Academia de Belas Artes em Munique (66).

Uma artista completa, em constante transformação. Foi certamente, um dos maiores nomes na arte contemporâneade Santa Catarina. Elke Hering mantêm seu legado na cultura catarinense, como uma marca muito forte e atuante. Segundo Lindolf Bell, que foi seu companheiro, a artista era uma "fênix". Buscando sempre diversificar e otimizar a forma da escultura. Fonte: Portal SC

Lygia R Neves

Lygia R. Neves, grande painel de cor prevalecente amarelo. Esta é a obra LUZ da praça. O nosso sol diurno e noturno.

A ARTISTA

Formada em Direito – FURB. Mestrada em Educação no Ensino Superior – FURB. Professora de Artes Plásticas. Expõe profissionalmente desde 1972, quando foi selecionada para o “I Salão de Artes Plásticas de Ilha de Santa Catarina”. Tem participado de coletivas, individuais, leilões, salões e espaços culturais num total de mais de 200 exposições em Santa Catarina, outros estados e no exterior. Estudos com Elke Hering, Sílvio Pléticos, Carlos Scliar e Fayga Ostrower. Cursos na Alemanha e França, pesquisando texturas, suportes e pigmentos sobre papéis artesanais, tecidos, fios e litogravura. Tem exercido atividades docentes na área de Arte Educação e ocupado cargos em entidades representativas da classe artística.

Jayme Reis

Jayme Reis é a brasilidade estampada em um objeto Barco colorido e com uma pincelada de indígena. O Brasil que navega na praça do poeta.

Atualmente, na obra de Jayme Reis tudo está presente de maneira natural e objetiva. Não rompe consigo mesmo, reiventa-se de maneira progressiva. Todos os projetos, por mais simples que sejam, contêm o labor e o acionamento de uma subjetividade e a objetivação de um caráter fulgurante, essencialmente humano, nos quais as imagens e figuras reafirmam as mudanças e os efeitos pretendidos.

Um detalhe importante deve ser mencionado na carreira de Jayme Reis: trata-se de um artista autodidata. As obras de Jayme Reis são marcadas por um oceano profundo e extenso...

Abissal, que navega desde a infância em Itabira, e evolui de maneira inventiva por montanhas flexíveis, de múltiplas maneiras. Incluindo uma produção invejável em diferentes técnicas, suportes, desenhos, pinturas, objetos e oratórios. Temáticas recorrentes e influências indiretas. Um ir e vir contagiante e surpreendente. Uma maré que vai de Buñuel, Fellini, Bosch, El Greco, os cubistas, a arte gótica, a Pintura espanhola, o cordel, o cotidiano até o compasso do Pensamento mergulhado num galeão mágico, navegando pelo Atlântico, ao som de Paco de Lucia, em conjunto com um mix de pincéis, tintas, martelos, entalhes, chapas de ferro, madeiras, resinas, óxidos de ferro, mono e policromias em formas, marchando sobre nuvens. Cheias de sentidos, simbólicas. Que encarnam o canto da criação numa onda iluminada.

Fonte: www.comarte.com | www.jaymereis.com

Paulo Greuel

Paulo Greuel é a Contemporaneidade, e mais que isto, uma alusão de uma linguagem nova que é a fotografia em sua expressão máxima de modernidade e qualidade.

Paulo Greuel: A foto Virtual Por Werner Lippert NRW-Forum Düsseldorf "Paulo Greuel não se ocupa em retratar realidades. Ele quer criar novos mundos, irreconhecíveis a olho nu. Ele quer produzir imagens que falem por si. Dessa maneira, tentou se distanciar das noções e tempo e se libertar da sensação de que uma foto deve ser o registro de um acontecimento (...)

"A partir do real (seres humanos, objetos, objets-trouvés), Paulo Greuel cria fotografias que, ao invés de reproduzir o que já existiu, projeta espaços imagéticos virtuais. E, quanto maior a “distância” do objeto, mais convincentemente ele consegue virtualizar a imagem".

Saiba mais: www.paulogreuel.com

Pita Camargo

Nasceu em 12 de abril de1966 em Blumenau/SC Desde 1982, Pita Camargo participa de leilões, coletivas e individuais em SC. Tem realizado diversos painéis, murais, monumentos e esculturas para praças, construtoras, escolas e outras instituições.

Em 1985 fez o curso "O Espaço e a Expressão" com Maria do Barro - FURB. De 1987 a 1992, participou de diversos cursos e oficinas na Fundação Cultural de Curitiba, entre eles, com Elvo Benito Damo, em 1993 - "Oficina de Escultura Avançada" com José Resende e a "Arte e a Estética" com Ko Reuter. Em 96, realizou uma exposição didática no Museu de Arte de Joinville - MAJ, desde então tem ministrado diversas oficinas de escultura, modelagem e forma - utilizando o mármore e resina para a preparação ao processo de fundição em cera perdida.

Em 2001, realizou uma exposição individual no Museu de Artes de Santa Catarina e participou do I Simpósio Internacional de Esculturas em Mármore do Brasil, em Brusque/SC.

Fonte: www.pitacamargo.cjb.net

" O lugar da poesia, é todo lugar"

Dentro do Espaço Arte Praça do Poeta Lindolf Bell, você ainda encontra alguns elementos com poemas de Lindolf Bell: o retângulo (representa a elevação), o quadrado (representa os 4 elementos da natureza), o círculo (representa o infinito) e o prisma (representa a formação das cores pela luz).

Visite!